Reunimos abaixo as dúvidas mais comuns. Em caso de dúvidas adicionais, não hesite em entrar em contato conosco!

Recuperação paralela é um período após o término das 1ª, 2ª e 3ª unidades, onde o estudante tem a oportunidade em melhorar o seu desempenho através de uma nova avaliação com o valor total de pontos do bimestre. Montamos um calendário no turno oposto com aula para tirar dúvidas e, em seguida, agendamos as avaliações com valor 10,0.

  • O aluno que obtiver rendimento inferior a 6,0 (seis) pontos, poderá optar pela Recuperação Paralela.
  • Não existe Recuperação Paralela na 4ª unidade.
  • O aluno poderá ter sua média da 1ª, 2ª e 3ª unidades alteradas (Prevalecerá a maior).

Será valorizado neste processo a responsabilidade apresentada pelo aluno durante a unidade.

Pode fazer a recuperação paralela o estudante que ficou ao final da unidade com média inferior a 6,0.
Pode. Mas é importante analisar caso a caso. As unidades têm os pesos e isso interfere diretamente na composição do total de pontos. Uma outra situação é se o aluno ficou com médias entre 5,0 a 5,9 o indicado é que estude e se dedique mais na unidade seguinte. Mas, precisamos analisar o todo…
Se o aluno perdeu uma avaliação e ao somar as notas do processo, não atingiu a média, deve analisar se é mais interessante a 2ª chamada ou a recuperação paralela. O somatório das notas embasará o que é mais adequado. Notas muito abaixo do esperado, como 2,8, indicamos que faça a recuperação paralela, pois, caso tenha perdido uma avaliação de 2,0 pontos, o que falta da parcial pode não chegar na média 6,0.
O registro de entrada e saída do aluno no colégio acontece pela carteira de acesso. Isto significa que controlamos a frequência através da catraca. É extremamente importante que traga a carteirinha diariamente, que não haja atrasos e nem faltas, pois as faltas são computadas através desse sistema.
A partir de 3 anos ou se a criança for completar 3 anos até o dia 31 de março do corrente ano.
Dependência é mais uma oportunidade em tentar recuperar o ano letivo perdido no ano anterior. É um curso intensivo (fevereiro a junho), onde o (a) estudante tem aulas de conteúdos mais importantes da série em que não conseguiu êxito. Nesse processo há avaliações com somatório de 10,0 pontos e, conseguindo nota acima de 6,0, está aprovado (a). Caso contrário, tem recuperação, valendo 10,0 pontos.

Se mesmo assim não conseguir…

Volta no 2º semestre para a série anterior.

A 2ª chamada é uma oportunidade de complementação da pontuação da unidade  de uma avaliação que faltou…  Exemplo: O aluno perdeu uma avaliação de 4,0 pontos. Ao final da unidade, faz a inscrição e realiza uma prova com este valor.

A recuperação paralela é uma oportunidade em melhorar o índice da unidade ( a média final). Faz uma prova valendo 10,0 pontos e a nota maior prevalece no boletim.

Há um critério para este item. A avaliação vale 10,0 pontos. Não é somatória não.  Nem é  nulo o resultado anterior…

Digamos que um aluno ficou com média de 4,5 em Matemática e, ao fazer a prova de recuperação, tirou 5,6.

Como prevalece a maior nota, vai para o boletim 5,6. Mas pode existir o contrário também…

Um aluno que tem média 4,4 em Química, ao realizar a paralela, pode tirar nessa prova 4,2. Como prevalece a maior nota, o boletim continua com 4,4 pontos.